A PAZ é nossa Escolha Consciente

DECLARAÇÃO SOBRE O DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO E INTERCULTURAL por Sua Majestade Rei Abdullah II Ben All Hussein da Jordânia

Notando que cerca de 55% da população do mundo é ou cristãos ou muçulmanos; E que talvez 80% da população mundial seja cristã, muçulmana, judaica, hindu, budista, taoista ou confucionista;

Preocupado sobre as tensões sempre renovados entre adeptos de diferentes religiões e, em particular, entre cristãos, muçulmanos e judeus;

Percebendo a impossibilidade de verdadeira paz e harmonia no mundo sem relações harmoniosas e entendimento entre adeptos das religiões do mundo;

Ciente da possibilidade de mau uso do contexto de citações escolhidas a partir de qualquer Escritura para aumentar tensão religiosa, ódio e violência;

Apreciando os esforços de Sua Majestade o Rei Abdullah II Ben Al Hussein da Jordânia no lançamento da histórica Mensagem de Amã, em Novembro de 2004 e, em particular, o Consenso Islâmico internacional unânime sobre “três pontos” que restabeleceu faltas ilegítimas e não qualificadas que pedem Hostilidade e agressão ao Islã e, nas palavras do falecido Grand Imam e Sheikh Al Azhar Professor Dr. Muhammad Sayyid Tantawi, constituem:

“O melhor recurso para todos aqueles que desejam viajar pelo caminho reto em suas palavras e em suas ações, é em sua vida espiritual e religiosa.”

Reconhecendo que, apesar das muitas diferenças e divergências insolúveis e intransponíveis teológica e religiosa entre o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo, não é, contudo, um terreno comum central e essencial da fé, esperança e amor entre estas três religiões monoteístas e abraâmicas – como proposto pela histórica: A Palavra Comum Carta Aberta de 13 de outubro de 2007 – nos dois maiores Mandamentos de Amor a Deus e Amor ao Próximo (Mateus 22: 34-40 e Marcos 12: 29-31),

Ecoando as palavras de Sua Santidade o Papa Bento na Mesquita King Al Hussein Ben Talal em Amã, na Jordânia, no sábado 9 maio, 2009, quando Sua Santidade disse:

“São também de grande mérito as inúmeras iniciativas de diálogo inter-religioso apoiadas pela família real [da Jordânia] … e a mais recente carta da Palavra Comum que ecoava um tema em consonância com a minha primeira encíclica: o vínculo inquebrável entre o amor de Deus e o amor ao próximo, e a contradição fundamental de recorrer à violência ou à exclusão em nome de Deus (cf. Deus Caritas Est, 16) “.

E também as palavras de Sua Graça Dr. Rowan Williams, o Arcebispo de Canterbury

“O aparecimento da Palavra Comum de 2007 foi um marco nas relações muçulmano-cristãs e tem um papel único em estimular uma discussão no nível mais profundo em todo o mundo”.

Acreditando , além disso, que todos os povos do mundo estão unidos não só pela sua humanidade comum e seu planeta Terra comum, mas também pelo amor de Deus e  amor ao próximo .

Apoiando a Resolução da Assémbleia Geral das Nações Unidas A / 65 / PV.34 de 20 de outubro de 2010, que estabelece uma Semana Mundial da Harmonia Inter-religiosa voluntária como proposto por Sua Majestade o Rei Abdullah II Ben Al Hussein da Jordânia em 23 de setembro de 2010 na Assembléia Geral das Nações Unidas, e chamando para:

“O povo do mundo, em seus próprios lugares de culto, poderia expressar os ensinamentos de suas próprias crenças sobre tolerância, respeito pelo outro e Paz”.

Na esperança de que a prática da Semana Mundial da Harmonia Inter-religiosa irá revelar-se, nas palavras de Sua Graça Bispo Munib Yunan, presidente da Federação Mundial de Igrejas Evangélicas Luteranas e o Patriarca ortodoxo de Jerusalém e a Terra Santa, Sua Beatitude o Patriarca Teófilo III:

“Um renascimento internacional integrando espírito e intelecto para salvar o mundo do flagelo das tensões sectárias, da conseqüente violência e ódio comunal”. 

Chamem todos os governos, povos e religiões do mundo para compartilhar Uma Palavra comum em Carta Aberta:

“Que nossas diferenças não causem ódio e conflito entre nós. Vamos competir uns com os outros somente em justiça e boas obras. Respeitemo-nos uns aos outros, sejamos justos e bondosos uns com os outros e vivamos em Paz sincera, harmonia e boa vontade mútua “.


By Pax – Carmen Balhestero – www.pax.org.br