Lua Cheia em Peixes trazendo conexão com nosso Eu Superior

Por Claudia Lazzarotto – Astróloga Kármica
A entrada da Lua Cheia de Peixes dia 26/08/2018 às 08h56 (no Brasil), em um momento onde tudo será mais efetivo e determinante, principalmente após o último e fortíssimo ciclo de eclipses, com tantos planetas retrógrados e com Saturno e Plutão em Capricórnio, traz a conexão com nossa essência que, mais do que nunca, é fundamental para nos guiar nessa nova etapa evolutiva, que crendo ou não, acontecerá cada vez com mais intensidade à toda a humanidade.
A Lua em Peixes atua como um bálsamo em meio a tanta turbulência energética e vibratória refletindo em nossas ânsias emocionais e psíquicas.
Vale lembrar que os ciclos astrológicos não mudam sua tônica a cada semana, como já expliquei em textos anteriores. E nesse ciclo atual, tanto no que se refere a nós mesmos, como na vibração energética do momento, a coisa é para valer. E tudo precisa ser feito de forma muito clara, alinhada e direta. Não podemos mais tentar ludibriar nem mesmo nossos medos, para não sermos atropelados por ele. A palavra mais útil nesta fase é coragem, porque agora é hora de lidarmos com nossa colheita unicamente.
E diante do que tivermos que colher precisaremos nos posicionar com sabedoria. São situações insustentáveis que agora deverão mudar sim, ou sim, por bem ou por mal. São aprendizados que resistirmos em absorver, verdades que fingimos não ver. Comodismos que nos negamos a abrir mão. Enfim, no geral é necessário aprendizado e amadurecimento espiritual, no sentido evolutivo do seu espirito único e não no sentido religioso da palavra.
Sem contar que temos ainda retrógrados Plutão e Marte (em Capricórnio), e Netuno (em Peixes), além do próprio Quíron em Áries. Ou seja, as vibrações são tantas e tão fortes, exatamente para que sejam instransponíveis pela força do Ego Humano.
A maior sabedoria consiste em termos coragem de enfrentarmos com resignação a soberana Lei da Justiça Divina. É colhermos tudo que plantamos, afinal fomos nós que plantamos de livre espontânea vontade. Agora não adianta reclamar. E se colher é inevitável, melhor colhermos o quanto antes. A nós resta saber como lidar com ela com humildade e da melhor forma possível buscarmos nosso aprendizado, para assim e somente assim, alcançarmos a Plenitude!
É simples assim… é a Lei que move o Universo. Afinal já nos diziam os velhos sábios, a sementeira é livre, mas a colheita é obrigatória, conectar com a pureza é o único caminho!

Claudia Lazzarotto – Astróloga Kármica.