Mensagem de Páscoa

“No momento em que os raios do Sol tocaram o rosto de Jesus, o Cristo entrava em seu corpo, glorificando-o com o novo invólucro com o qual estava revestido. Tal é a ressurreição do cristo, depois da qual o corpo carnal, transformado, adquiria uma nova natureza. Eis porque o Sol foi sempre tomado como símbolo do Cristo Ressuscitado e porque, nos hinos da Páscoa, se faz constantemente alusão ao Sol da justiça”.

No Festival da Lua Cheia de Áries é celebrada a Ressurreição (renascimento) do Mestre Jesus. Essa festa religiosa, conhecida como Páscoa, pelos cristãos, tem suas raízes no ano de 1312 a. C., quando Moisés, no 14o dia do mês de Misã (primeiro mês do ano do calendário judaico), ordenou aos he- breus do Egito que marcassem suas casas com sangue de cordeiro para que o primogênito da família fosse poupado da morte, por ordem do Faraó, que, diante de tal força de poder, permitiu finalmente, a abolição do cativeiro dos hebreus. Assim, então, essa vitória da liberdade ficou conhecida como Pessach (passagem da escravidão para a liberdade), que é comemorada religiosamente pelas comunidades judaicas, entre orações e cânticos, com uma ceia (ceder), na qual cada alimento servido tem um significado especial em respeito às amarguras vividas por seus ascendentes.

Para os cristãos, a Páscoa é a celebração da vitória de Jesus sobre a morte (ressuscitou no terceiro dia após sua morte física), abrindo assim para a humanidade o caminho da vida eterna.

A Páscoa cristã ocidental é comemorada no primeiro domingo depois da primeira Lua Cheia posterior ao equinócio da primavera no hemisfério norte (21 de março).

Para o Plano Espiritual, o Festival da Lua Cheia de Áries representa, juntamente com a celebração da ressurreição de Mestre Jesus Sananda, a oportunidade de cada ser humano vivenciar e acelerar o seu respectivo processo de Ascensão, ou seja, a oportunidade ainda em vida de iniciar um novo momento, uma nova etapa (representada pela ressurreição de Jesus), após a transmutação dos seus carmas negativos (representada pela morte do corpo físico de Jesus), despertando o “Cristo” em nós (a Consciência Crística).

Renascer também é a libertação de egos, apegos e amarras (mágoas, culpas, etc.) que bloqueiam nosso potencial criador e impedem que a Verdade intrínseca do Ser Perfeito, que somos, atue no presente, para ser possível a concretização no futuro das realizações estruturadas no Amor, na Paz e na Luz.

O Festival da Páscoa é o primeiro dos três grandes Festivais de Lua Cheia celebrados pela Grande Fraternidade Branca Universal, quando, no Plano Etérico, todos seus membros confraternizam-se com Mestre Jesus Sananda, que, por puro Amor Incondicional, veio à Terra para ensinar e mostrar aos homens que a Ascensão é possível para todos, porque a divindade reside no âmago de cada ser, sem exceção.


RITUAL 

Em momentos de transição como um renascimento, é necessária muita concentração e atitude inter- na de abertura para novas coisas.

Sugerimos que você abrace, do fundo do coração, todas as situações, pessoas e fatos que ocorreram nos últimos meses, principalmente as pessoas ou fatos que mais o magoaram, pois “amar incondicionalmente” significa compreender e abraçar todas as situações.

O Poder do Amor verdadeiro consegue transformar tudo, deixando espaço para que novas manifestações possam ocorrer.

Feche os olhos e visualize uma tela branca de cinema na frente do seu terceiro olho, no centro da testa. Projete nela as pessoas e fatos que o mago- aram e abençoe.

Visualize-se as pessoas e fatos que o magoaram envoltos na Chama Violeta, da Transmutação, e, depois, na Chama Rosa, do Amor Incondicional. Irradie muita Luz a todas as pessoas. Faça o mesmo com situações desagradáveis que ocorreram. O Poder da benção liberta e transcende dimensões, colocando-nos em contato coma Força Una do Universo: o Amor.

Após abençoar cada pessoa e cada situação que participaram com você deste momento de transição, você se sentirá mais leve e aberto a novas alternativas e, com certeza, renascerá para um novo momento muito mais feliz, pois já terá aberto espaço suficiente para que somente novas situações gratificantes e edificantes fazerem parte de sua vida.

Feliz Páscoa de Renascimento!


SÍMBOLOS DA PÁSCOA 

O ovo de Páscoa 

O ovo, símbolo da fertilidade, começou a aparecer como forma de presente na Antiguidade, 4 mil anos a. C., época em que egípcios e persas pintavam ovos de diversas aves para distribuir na prima- vera. Mais tarde, os chineses também presenteavam amigos com ovos pintados.

Os cristãos escolheram o ovo para comemorar a Páscoa, justamente por ele simbolizar a vida, quando a casca se rompe dá passagem para a vida.

O chocolate 

O xocoat era uma bebida consumida pelos Astecas, civilização indígena que viveu no México. Era uma mistura de semente de cacau torrada, mel, pimenta e água. Como tinha gosto muito amargo, era servi- da fria. O xocoat só chegou à Europa no século IXX, quando lhe acrescentaram açúcar e leite, nascendo assim o chocolate que conhecemos. E na Páscoa, para seguir-se a tradição, em vez de presentearmos os amigos com ovos de verdade, o fazemos com ovos de chocolate, pois ao fazê-lo estamos, mesmo que inconscientemente, invocando que essas pessoas renasçam para um novo momento em suas vi- das e enviando-lhes irradiações da manifestação da concretização de seus ideais e da manifestação da Consciência Crística na Luz. Portanto o ovo de chocolate é sempre bem-vindo!


By Pax – Carmen Balhestero – www.pax.org.br